"Se o doido persistisse na sua loucura tornar-se-ia sensato." (William Blake)

"O louco, o amoroso e o poeta estão recheados de imaginação." (William Shakespeare)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

domingo, 11 de outubro de 2009

TAL HOMEM, TAL DEUS! (Todo Deus tem o adorador que merece, Por isso sou "Charlie Hebdo")







Crônica filosófica

TAL HOMEM, TAL DEUS! (Todo Deus tem o adorador que merece, Por isso sou "Charlie Hebdo")

Por Claudeci Ferreira de Andrade

Disse o Luis Fernando Veríssimo, e eu concordo plenamente: "Não posso imaginar uma blasfêmia maior do que espalhar os miolos de alguém com um AK-47. Porque tem gente dizendo que os cartunistas do “Charlie Hebdo" foram longe demais, o que equivale a dizer que mereceram o que lhes aconteceu. É o mesmo raciocínio de quem diz que mulher estuprada geralmente estava pedindo."
           Há quem diga ainda que Deus cuida de nós, e se justifica dizendo que se Ele não cuidasse de nós, não desfrutaríamos do fôlego de vida que a nós foi dado para que possamos abrir os olhos todos os dias e vermos o raiar da aurora, seja ela ensolarada, seja ela nublada. É verdade que todos somos agraciados pela vida que temos; também é claro que nem sempre vemos lírios florescerem no caminho e, muitas vezes, nossos ouvidos não ouvem o canto dos pássaros, mas Deus sabe de todas as coisas, é o que dizem, Ele nos dá a resposta certa no tempo e na hora, desde que saibamos perseverá na fé e na humildade, embora seja difícil. Eu já prefiro dizer que Deus cuida mais dos pássaros e dos lírios que dos seres humanos! Já viu pássaro cair do céu? Eu já vi avião e bombas! Já viu os lírios vestirem Jeans? Eu já vi operários! Talvez porque o homem sabe bem cuidar de si mesmo do que o Deus, que ele criou, o faz.
           Têm coisas mais importantes para o homem fazer ao invés de ficar defendendo seu Deus. As pessoas produtivas, que mais precisam do seu tempo de vida útil para trabalhar, são as que mais perdem tempo na malha social, enredadas pelo bombardeio das mídias, por métodos abusivos, abençoados pela justiça, mas que tolhem a fluidez da produção dos humanos: filas únicas. Nesse caso particular, que me parece democracia, está a maior prova de que os privilegiados também são discriminados. Será que terá fila única para a entrada ao céu como aqui nas entidades nas quais vamos pagar nossas contas? Qual será o próximo da fila a ser atacado por fanáticos?
           Se você concluiu que este texto está confuso demais, é que se trata de uma parábola para testar o quanto você é Deus. Mas, não estou zombando de seu Deus, apenas verificando sua onisciência. Por que Ele mesmo não se defende quando criticado? E por que você tem que defendê-Lo? Quem é o maior você ou seu Deus? Por que não é suave com seus métodos perdoadores para disciplinar os brincalhões? Se o Tal Ser é mensurável para você é porque você apreendeu todas as suas dimensões, pelo menos na imaginação. Quem poderá dizer que seu Deus é um ser incompreensível e divino demais para a mente humana? Pode até sê-Lo, porém, não depois de seus adeptos matarem pessoas para se vingar de piadas sem graça. O inconsciente do fanático percebe tudo, e a imaginação é sua extensão de crueldade.
           Por isso, continuo afirmando que Deus é fruto de uma grande imaginação, aliás, o poder de seu Deus está diretamente proporcional ao tamanho da capacidade de sua imaginação. Todavia nem todos atingem grandes patamares. Por isso sou "Charlie Hebdo", e não sou um castigo de Deus, pois trato os outros como gastaria de ser tratado. É preciso muita inteligência e imaginação para brincar de ser homem e de muita ignorância e violência para brincar de ser Deus.

Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 02/06/2009
Código do texto: T1628106

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários


Postar um comentário