"Não é o significado da vida, mas o sentido dela." (May Iakulo)

"Que eu não aprenda o significado da vida, no ultimo minuto do segundo tempo." (Day Anne)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

terça-feira, 27 de outubro de 2009

UMA QUESTÃO PARA ATEU (O que existe dentro do homem que tem sede de Deus?)

'
Crônica Filosófica

UMA QUESTÃO PARA ATEU (O que existe dentro do homem que tem sede de Deus?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade         

            Eu não sou ateu, eu sou crente num Deus eterno que se recria a todo instante; é físico porque é a essência da matéria; é radiação porque é a essência da luz, e é um Espírito porque é a essência da energia; pode ser o nada também porque é a essência do vácuo. Posso não saber o que Ele é exatamente, mas sei muito bem o que ele não é, apesar de poder ser tudo. Não é onisciente porque pode querer não saber; não é onipotente porque pode querer não fazer; não é onipresente porque pode querer se ausentar de algum lugar. Afinal é a essência do querer e do realizar e vai até a essência da essência. Sem Ele nada se move ou se estagna. Entretanto a igreja continua fabricando ateus, iludidos de crentes, vendendo um Deus constituído dos piores vícios dos humanos, gambireiros, que pechincham sua salvação. Meu Deus não tem sentimentos, apenas sensibilidade a tudo (nenhum ser dotado de sentimentos pode praticar um justo juízo). E não tem como não está na presença dEle! Não há nada além de Deus. Então, Ele está voltado para dentro de Si mesmo e em expansão que cria espaço, numa velocidade que nosso entendimento não alcança. Reconsiderando, como posso saber o que existe além de Deus? Mas, exijo do ateu que saiba o que há para fora de Deus (Como pode algum ser vivo não crer em algo superior ou inferior, qualidade associada só aos mortos?). Pois lhe interessa tanto fugir dEle, que precisa ter um lugar para onde ir. E se já houver algum espaço fora de Deus, certamente é totalmente ocupado por Seus atributos!
            Cito esta frase que me fez lembrar o Sócrates: "Conhece-te a Ti mesmo e conhecerás todo o universo e os deuses, porque se o que procuras não achares primeiro dentro de ti mesmo, não acharás em lugar algum"- frase do Templo de Delfos na Grécia. Concluí que sou um Deus de mim mesmo, por não ser possível me conhecer totalmente, e meu próprio Demônio por não dominar meus desejos ou por ambos os motivos. Eu creio em mim e descreio ao mesmo tempo. Fora de mim, há meu outro eu do qual sou miniatura: o macro. Dentro de mim, apena há meu primeiro eu, o narrador personagem de mim mesmo: o micro. Só preciso consentir ao bom condutor de energia que mova o que está vindo de fora e/ou saindo de dentro! Aí, li também do Eli Vieira: "Sobre conhecer a si mesmo num sentido reflexivo, eu penso que estamos enganando a nós mesmos quando achamos que vamos realizar isso apenas com a introspecção. Você não conhece a si mesmo sentado na sua poltrona dentro de casa, pensando com seus botões. Você conhece a si mesmo quando sai porta afora e vai se deixar marcar pelo açoite e pelo afago do tempo." Então eu reformulo minha pergunta, e agora querendo saber o que existe fora do homem! Mas, já respondo, é exatamente tudo o que iniciou-se dentro dele mesmo!
            Agora aprimoro minha pergunta, e o que existe dentro do homem que tem sede de Deus? Senão o próprio Deus, pois a única sede de Deus é a sede de Si mesmo! Então, o homem existe de dentro para fora ou de fora para dentro? O que é o mundo, é o que está fora do homem ou o que está dentro do homem? Se tudo está fora, então posso participar disso na procura de Deus; se está aqui dento de mim, Ele pode participar de mim, excitando mais ainda minha sede dEle mesmo. Importa-me apenas uma necessidade essencial: Deus. 

Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 27/10/2009
Código do texto: T1889325

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários

Postar um comentário