"Todas as coisas complexas estão condenadas à decadência." (Buda)

"Evoluir não é melhorar. A lagarta jura que a borboleta é a sua decadência." (Fabrício Carpinejar)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Irresponsabilidade, razão para o suicídio ( Como viver sem se matar?)

         
Crônica Filosófica

Irresponsabilidade, razão para o suicídio ( Como viver sem se matar?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

         Todas as coisas dessa vida matam o homem! E nenhuma o faz viver além do último portal que já lhe foi determinado. Todos nós, no mundo, somos suicidas às prestações, O que comemos e/ou bebemos, ou ainda respiramos e até o que sai de nós demandam contra nossa existência. uma vez, descobrindo-se que requer mais coragem para viver que para morrer, caminhamos conscientemente na direção do fim, pelo o atalho mais curto, uns poucos demoram um tanto mais para aposentar-se, fazendo uma caminhada cheia de curvas; outros tantos mais, já aposentados, engordam os vermes que dependem de sua carne macia e lânguida, que se derrete pela ociosidade tão desnecessária à sobrevivência, nesse caso, esperam por ela sentados. Quem conterá a morte? Paulo confirma aos Romanos: "Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte?" (Romanos 7:24). 
          O que seria viver com qualidade? Tomar o remédio que cura e faz outra doença? Ou consumir só alimentos naturais, mas cheios de conservantes do mundo do comercio lucrativo e eficiente que você não conhece? É a vida ou é a morte. Aliás, mais morte do que vida! Então disse Steve Jobs: "Nascemos, vivemos por um momento breve e morremos. Tem sido assim há muito tempo. A tecnologia não está mudando muito este cenário." 
           Quando Jesus disse para aqueles que recusaram a vida: — "deixe que os mortos enterrem os mortos" estava vinculando a sua maior verdade sobre a natureza humana. E, por outro lado, incentivando que os vivos enterrem os vivos. Deu no que deu, ao fomentar a inversão de valores: a gente morre mais tentando viver do que vive tentando morrer!
           Talvez caiba agora uma referência às festividade anestesiadoras das pessoas felizes sem razão. Como se sentem os foliões após o carnaval? Mais cheio de vida ou mais próximo da morte? Às vezes, não entendo o Pregador quando diz que o sentido da vida é fechar os olhos para a morte:"Vai, pois, come com alegria o teu pão .e bebe o teu vinho com coração contente; pois há muito que Deus se agrada das tuas obras. Sejam sempre alvas as tuas vestes, e nunca falte o óleo sobre a tua cabeça. Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida vã, os quais Deus te deu debaixo do sol, todos os dias da tua vaidade; porque este é o teu quinhão nesta vida, e do teu trabalho, que tu fazes debaixo do sol."(Ecl,9:7-9). Essa passagem bíblica me parece um incentivo à irresponsabilidade existencial. Comprovamos no poema:
      "Instantes"
De Nadine Stair?
Atribuído a Jorge Luís Borges

Se eu pudesse viver novamente a minha vida,
na próxima trataria de cometer mais erros. 

Não tentaria ser tão perfeito, relaxaria mais.

Seria mais tolo ainda do que tenho sido; 

na verdade, bem poucas pessoas levariam a sério.

Seria menos higiênico. Correria mais riscos, 

viajaria mais, contemplaria mais entardeceres, 
subiria mais montanhas, nadaria mais rios. 
Iria a mais lugares onde nunca fui, 
tomaria mais sorvete e menos lentilha, 
teria mais problemas reais e menos imaginários.
Eu fui uma dessas pessoas que viveu 
sensata e produtivamente cada minuto da sua vida. 
Claro que tive momentos de alegria. 
Mas, se pudesse voltar a viver,
trataria de ter somente bons momentos. 
Porque, se não sabem, disso é feito a vida: 
só de momentos - não percas o agora.
Eu era um desses que nunca ia a parte alguma 
sem um termômetro, uma bolsa de água quente, 
um guarda-chuva e um pára-quedas; 
se voltasse a viver, viajaria mais leve.
Se eu pudesse voltar a viver, 
começaria a andar descalço no começo da primavera 
e continuaria assim até o fim do outono.
Daria mais voltas na minha rua, 
contemplaria mais amanheceres 
e brincaria com mais crianças, 
se tivesse outra vez uma vida pela frente.
Mas, já viram, tenho 85 anos 
e sei que estou morrendo."

     Por tanto, a irresponsabilidade não traz mais vida, mas a faz mais intensa e portanto, desgastando-a mais rápido. Um atalho para o fim! "Mors certum est"!!!



Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 22/05/2009
Código do texto: T1609070

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários

Postar um comentário